Como falar corretamente

Como falar corretamente: veja 15 palavras que você usa errado e não sabe

Para que o seu texto passe credibilidade, é de extrema importância que, além de apresentar um conteúdo de qualidade, ele seja bem escrito. Não saber como falar corretamente e utilizar o português equivocadamente são passos que minam a autoridade da escrita — como já dissemos aqui no Escreva Para Web

Para que o seu texto passe credibilidade, é de extrema importância que, além de apresentar um conteúdo de qualidade, ele seja bem escrito. Não saber como falar corretamente e utilizar o português equivocadamente são passos que minam a autoridade da escrita — como já dissemos aqui no Escreva Para Web

Quando alguém se dispõe a aprender o que você quer ensinar, é fundamental que o foco da pessoa seja no conteúdo que está sendo apresentado, e não na forma. Um texto mal construído, mesmo que carregue uma mensagem excelente, não cumprirá o seu papel se apresentar algum erro.

Levantamos, dentre os milhares de textos que já avaliamos na Rock Content, alguns dos erros mais comuns, para que nunca mais você tenha dúvidas ao ter que escrevê-los. Confira!

Eficaz, efetivo e eficiente

Para que algo seja eficaz, precisa cumprir o que é esperado dele, atingir ou não um objetivo…

Efetivo tem vários significados. Pode se referir a um número, como em “o efetivo da polícia”; o que nos interessa, entretanto, é o relativo à efetividade, a capacidade de produzir um efeito, seja ele positivo ou negativo. Efetivar é tornar real ou definitivo. Em administração e gerência, usamos também efetivo para nos referir à ação correta ou melhor caminho.

Já a eficiência se refere ao rendimento de um processo. É uma relação que leva em conta quanta energia é despendida na realização de um trabalho.

A expressão popular “matar mosquito com bala de canhão” é um excelente exemplo. A solução é eficaz, já que — caso acerte o alvo — o mosquito certamente morrerá. Mas é uma medida pouquíssimo eficiente, já que o esforço envolvido é totalmente desproporcional ao resultado obtido. Uma vez disparado o canhão, a medida foi também efetiva, realizada.

Perca e Perda

Você sabe o que são parônimos? São palavras que, assim como perca e perda, possuem tanto a grafia como a pronúncia semelhantes. No entanto, não é porque elas são parecidas que devem ser usadas da mesma forma.

Por exemplo, digamos que você esteja escrevendo um artigo sobre os tipos diferentes de dietas existentes e escreveu a seguinte frase: “Consequentemente, a perca de peso é inevitável”. Onde está o erro nesta frase? No uso da palavra perca, é claro! O certo seria falar que a perda de peso é inevitável — enquanto perca é um verbo, perda é substantivo.

O uso adequado da palavra perca acontece quando se pretende fazer a flexão do verbo “perder”: Não perca essa vaga!

Descriminar e Discriminar

Aqui temos mais um caso em que basta mudar uma letra para que o sentido de uma frase seja todo alterado.

Por exemplo, “foram “descriminados” todos os motivos para a escolha de um produto” — o que os motivos fizeram para serem absolvidos? Cometeram algum crime? Não faz sentido, não é mesmo? Neste caso, o correto seria dizer que foram discriminados, com sentido de que foram especificados e diferenciados todos os motivos. Descriminar, com a letra e, significa, de acordo com o dicionário Priberam, “Tirar a culpa a; absolver do crime imputado”.

cartilha-de-nova-ortografia

Absolver e Absorver

Por falar em absolver, vamos ver se você está absorvendo todas as informações que estamos te passando. Conseguiu perceber que usamos novamente palavras semelhantes, mas com sentidos distintos? Já explicamos que o verbo absolver tem como definição inocentar ou tirar a culpa. Absorver, por sua vez, é um verbo que quer dizer concentrar-se, fazer desaparecer, assimilar.

Exemplo: O leitor está absorvendo todos os ensinamentos passados pelo EPW!

Qualquer e nenhum

Estava revisando o texto de um redator e me deparei com a seguinte frase: “Porém, não tem qualquer necessidade de intervenção por parte dos usuários”. Você saberia dizer o por quê do uso da palavra qualquer estar errado? Existe uma regra muito simples que ajuda a descobrir quando se deve usar as palavras qualquer e nenhum em uma frase.

Qualquer é um pronome de sentido afirmativo. Já nenhum deve ser usado em construções negativas, como explica a consultora empresarial Laurinda Grion em seu livro “Erros que um executivo comete ao redigir (mas não deveria cometer)”. Ou seja, na frase que o redator escreveu, o correto seria que não teria NENHUMA necessidade de intervenção por parte dos usuários.

Simples e fácil

É um erro comum achar que simples e fácil são sinônimos. Fácil é o oposto de difícil. Quer dizer, aquilo que se consegue realizar sem grande esforço, sem um investimento muito alto.

Simples é o oposto de complicado. Designa algo composto de poucos (ou só de um) elementos. Talvez a origem da confusão venha do fato de que simples pode ser definido como “de fácil compreensão”.

Perceba que não são palavras intercambiáveis e que nem toda situação que aceita uma delas caberá também a outra. No exemplo prático: meditação é simples, mas não é fácil. Não há muitos passos para aprender, além de se sentar em uma posição confortável e respirar. Mas exige atenção e controle do pensamento que são difíceis para quem está começando.

Por outro lado, ler é fácil, mas não é simples. Levamos anos aprendendo todos os conhecimentos relacionados a leitura. É necessário conhecer o alfabeto, saber combinar as letras em palavras e depois em frases e parágrafos. Ainda analisamos e interpretamos, para extrair significado de tudo isto. É uma atividade muito complexa, mas uma vez alfabetizados, ela também nos é fácil, não nos consome muito esforço na realização.

Propício e propenso

Estes dois adjetivos têm significados parecidos, mas seu uso é bem diferente.

Usamos propício para indicar uma situação que seja favorável ou oportuna para que algo aconteça. Ambientes fechados são propícios à disseminação de doenças.

Propenso mostra uma inclinação ou tendência a algo. Em ambientes fechados, as pessoas estão mais propensas a pegar uma doença.

De novo, perceba que não são intercambiáveis. Saiu em um jornal: “Dias quentes são propícios a chuva de granizo”. Para a formação do granizo são necessárias certas condições atmosféricas que são mais comuns aos dias de calor. Assim, dias quentes são propícios à formação de granizo. Mas são propensos? De forma alguma. A chuva de granizo é um evento raro, que acontece em apenas uma fração quase desprezível dos dias quentes.

Conhece mais algum exemplo de confusão de palavras? Há algum caso que você gostaria que fosse explicado? Acompanhe o Escreva Para Web e deixe seu comentário! 

guia-pratico-de-portugues-e-gramatica