Hora da pipoca - os 8 melhores filmes para freelancers

Hora da pipoca: os 8 melhores filmes para freelancers

O cinema é um ambiente sem discriminação. Nele, todas as profissões já foram retratadas: médicos, pilotos, advogados, soldados, jornalistas, cientistas, editores de moda, aviadores e até assassinos de aluguel já deram as caras nas telonas.

O cinema é um ambiente sem discriminação. Nele, todas as profissões já foram retratadas: médicos, pilotos, advogados, soldados, jornalistas, cientistas, editores de moda, aviadores e até assassinos de aluguel já deram as caras nas telonas.

E com os freelancers não poderia ser diferente. Se você é daqueles que perdem horas vagando em busca de algo bom para assistir na Netflix, vamos facilitar a sua vida e, quem sabe, até trazer mais criatividade para o seu trabalho.

Inspire-se agora mesmo com essa lista de oito filmes perfeitos para quem é freelancer. Dá uma conferida:

Quase Famosos

Você já pensou em trabalhar como jornalista freelancer para uma das maiores revistas de música do mundo, cobrindo uma turnê da sua banda de rock favorita, e o melhor: aos 15 anos de idade?

Parece algo fora da realidade não é? Mas o filme é baseado na história real do roteirista e jornalista freelancer Cameron Crowe e sua trajetória como acompanhante de ninguém menos do que a banda Led Zeppelin, em matéria para a revista Rolling Stone.

Muito além do universo “sexo, drogas e rock ‘n ‘roll”, a trama traz lições importantes para produtores de conteúdo que desejam escrever textos com objetividade, de acordo com a persona e o pitch, mesmo que a sua opinião seja diferente das recomendações trazidas na pauta.

O Abutre

Enfrentando dificuldades para conseguir emprego, um jovem cinegrafista interpretado por Jake Gyllenhaal se comporta como um verdadeiro “abutre”.

Na história, o personagem sai em busca de todo tipo de violência: acidentes, suicídios e assassinatos que possam render (e vender) boas imagens para o obscuro segmento do jornalismo sensacionalista de Los Angeles.

A maioria dos comportamentos do protagonista – como alterar cenas de crime, registrar imagens de pessoas ainda agonizantes e forjar delitos – não são exemplos para ninguém.

No entanto, o filme levanta muitos questionamentos importantes para qualquer profissional sobre a ética no trabalho, a competitividade no mercado, o poder de manipulação da mídia e a falta de limites na busca pelo sucesso.

Julie & Julia

Impulsionada por uma carreira monótona e pouca satisfação pessoal, Julie Powell resolve passar um ano cozinhando 524 pratos do livro de receitas de sua musa inspiradora Julia Child, e documentar todas as suas experiências em um blog.

A trama não parece muito empolgante a princípio até descobrimos que é baseada nas histórias reais de duas mulheres que viveram em épocas diferentes, mas usaram sua obstinação para mudar de carreira.

Uma delas é Child, na França dos anos 40, época em que as cozinhas eram dominadas por homens. A outra, Powell, nos Estados Unidos de meados dos anos 2000, época em que ser blogueiro ou freelancer não era considerado uma profissão.

Assim, o filme traz um importante panorama sobre o poder da internet e da tecnologia nas mudanças do mercado de trabalho.

Além disso, ele também apresenta uma reflexão sobre como as pessoas podem visualizar novas oportunidades de carreira, ganhar dinheiro e alcançar o sucesso.

Medianeras

O cinema argentino é um destaque por suas obras sensíveis e cheias de significado. E com o filme Medianeras não poderia ser diferente.

A película nos mostra as rotinas de uma estilista e um web designer freelancers tentando se livrar da solidão trazida pela cultura virtual e pela modernidade.

Se você trabalha sob uma estrutura home office, provavelmente vai se identificar ainda mais com a realidade desses personagens e os problemas que o isolamento pode trazer para quem costuma trabalhar sozinho.

Na Estrada

Mesmo não retratando diretamente o trabalho dos freelancers, a história de Na Estrada foi inspirada no livro On The Road, de Jack Kerouac, que passou anos viajando pelo oeste dos Estados Unidos enquanto escrevia suas obras literárias mais aclamadas.

A impecável fotografia de viagem, a trilha sonora marcada por jazz e a direção de Walter Salles são os ingredientes ideais para inspirar quem quer se tonar, ou já é, um nômade digital.

Vicky Cristina Barcelona

Um “quadrado” amoroso maluco sob as ruas de Barcelona poderia ser um resumo simples de Vicky Cristina Barcelona, mas o filme de Woody Allen vai além disso.

Durante cerca de 1h30, o telespectador é apresentado a personagens tão diferentes, complexos e maravilhosamente divertidos, que é quase impossível não se identificar com um deles.

Mas é com a personagem de Cristina, interpretada por Scarlett Johansson, que a maioria dos freelancers vão se identificar.

Se sentindo deslocada e acreditando ser uma pessoa desprovida de talento, durante um verão em Barcelona ela descobre uma habilidade única para a fotografia e a transforma em sua forma de viver.

A voz de uma geração

Você já se viu no meio de situações em que não sabia como explicar para os seus pais, amigos e familiares como funcionava o seu trabalho como freelancer?

Com dificuldades para conseguir uma vaga que te motive ou um trabalho com remuneração justa?

E duvidando de si mesmo sobre as suas escolhas profissionais?

Carol, a protagonista do filme A Voz de Uma Geração também. Cheia de dificuldades para ingressar no mercado dos dubladores da indústria cinematográfica, o Golden Trailers, Carol é expulsa da casa do pai.

Lutando contra o machismo, para a jovem treinadora vocal freelancer sobra apenas sua obstinação para vencer os percalços e se tornar a “voz de uma geração”.

Howl

Nome do livro de poesia mais vendido da história dos Estados Unidos, Howl traz a biografia de Irwin Allen Ginsberg, escritor independente que impulsionou o surgimento da Geração Beat e do movimento de contracultura do país, nos anos 50.

O filme usa a narrativa do próprio Irwin Allen, interpretado por James Franco, para recriar partes do poema considerado obsceno na época por seus trechos repletos de palavrões, conotações sexuais e referências à homossexualidade.

Com um estilo de vida marcado pelo uso de drogas e por problemas psiquiátricos, Allen enfrentou todas as dificuldades e fugiu das formas tradicionais de trabalho para criar um estilo literário único.

Futuramente, esse estilo viria a inspirar o escritor Jack Kerouac, o líder e compositor do The Doors, Jim Morrison, e até mesmo Cazuza, no Brasil.

E você? Conhece outros filmes para freelancers que ficaram de fora dessa lista? Compartilha com a gente nos comentários! Quem sabe suas dicas não viram uma “parte 2” desse artigo?