Ainda não sabe o que é analogia? Tire suas dúvidas agora mesmo!

Tempo de leitura: 3 minutos

Para escrever bem, não basta saber colocar as letras e as palavras em ordem. É preciso utilizar alguns recursos para que o texto fique claro e o objetivo do autor seja alcançado perante seus leitores. Uma das ferramentas de escrita muito usada é a figura de linguagem — técnicas que esclarecem o sentido pretendido pelo interlocutor.

Existem várias categorias de figuras de linguagem e, no post de hoje, será dado o foco a uma única: explicaremos o que é analogia. Confira!

Definição de analogia

Analogia é a comparação direta e explícita entre entidades diferentes — seres, objetos, conceitos, ações e/ou experiências —, focando na semelhança entre eles. No entanto, essa aproximação se dá de maneira particular, subjetiva e em um contexto bastante específico.

Analogia enquanto figura de linguagem

A analogia funciona como uma exemplificação mais simples do que está sendo dito, de modo que ela atua, no aspecto semântico, como uma maneira de fortalecer a argumentação. Uma vez que ela é explícita, as equivalências normalmente vêm acompanhadas de conjunções (conectivos) de comparação: assim como, como, da mesma forma, tal qual, entre outros.

Confira este exemplo:

Uma alegoria muito famosa na literatura brasileira é a comparação feita pelo Padre Antônio Vieira, no Sermão da Sexagésima, entre o sermão e uma árvore.

  • “Uma árvore tem raízes, tem tronco, tem ramos, tem folhas, tem varas, tem flores, tem frutos. Assim há-de ser o sermão: há-de ter raízes fortes e sólidas, porque há-de ser fundado no Evangelho; há-de ter um tronco, porque há-de ter um só assunto e tratar uma só matéria; deste tronco hão-de nascer diversos ramos, que são diversos discursos, mas nascidos da mesma matéria e continuados nela; estes ramos hão-de ser secos, senão cobertos de folhas, porque os discursos hão-de ser vestidos e ornados de palavras.”

Uso da analogia

Considerando a especificidade de uma analogia, é interessante usá-la ao escrever para a web apenas quando ficam muito claros os aspectos a serem aproximados. Caso não seja dada a devida atenção a isso, é possível que as analogias não façam sentido para o leitor e, com isso, além da ineficiência em transmitir uma mensagem, o texto ficará longo e “sem sentido”.

Por outro lado, quando usada de maneira direta e sucinta, com o objetivo de simplificar o ponto de vista do autor, o texto pode ser bastante assertivo e eficaz.

Essa relação de aproximação por semelhança não acontece apenas na literatura (ou na escrita). O termo analogia também é usado com frequência nas áreas do direito, da matemática e da biologia.

No primeiro, a analogia é quando uma lei se estende a um caso não compreendido nela, por identidade de razão. No segundo, está ligada à proporções numéricas, além de ser um método da lógica. Já no terceiro, é quando há semelhança de função ou de posição entre as partes de diferentes organismos.

Até mesmo na área dos estudos da linguagem, a analogia é usada de maneiras diferentes em cada área — sintaxe, morfologia, fonética, semântica. Isso mostra que, por mais que seja aplicada em várias situações distintas, o sentido análogo é sempre o mesmo. Aristóteles, filósofo grego, afirmou que todas as coisas são iguais por analogia, pois tudo se relaciona entre si, dependendo do ponto de vista.

Como falamos por aqui, existem outras figuras de linguagem que têm como foco a semelhança, como a símile e a metáfora, por exemplo. Confira a diferença entra elas aqui e entenda as melhores situações para usar cada uma delas.

Artigos relacionados

Sobre Luiza Drubscky

Gerente de comunidade na Rock Content. Se divide entre marketing, É o Tchan e levantamento de peso olímpico :D