Pesquisa de mercado

5 lições do dia a dia sobre como fazer uma pesquisa de mercado

Que tal adquirir uma visão mais ampla das estratégias de marketing e aprender sobre como fazer uma pesquisa de mercado?

Que tal adquirir uma visão mais ampla das estratégias de marketing e aprender sobre como fazer uma pesquisa de mercado?

Se você acompanha o Escreva Para Web, já sabe que os textos de um blog estão longe de ser onde tudo começa no marketing de conteúdo. Como escritor freelancer, você sabe que antes que você coloque toda a sua técnica e inventividade a serviço de uma estratégia, muita água já rolou.

É por esse motivo também que alguns analistas, revisores ou clientes pedem ajustes nos seus textos. Esses ajustes podem parecer insignificantes para você, mas o que acontece é que essas pessoas têm uma visão do “conjunto da obra” que só é possível para quem trabalha com números, entende a fundo uma buyer persona e sabe exatamente que conteúdo entregar para ela e quando.

Seja como eles! Entenda agora algumas lições do dia a dia sobre pesquisa de mercado, melhore seus textos e sua relação com a equipe de marketing das empresas para as quais trabalha e também com os seus clientes:

1. Ela é o primeiro passo para começar uma empresa

Tente responder esta pergunta: como uma empresa que lança um produto inédito decide quanto cobrar por ele? Como ela sabe de antemão quanta gente vai comprar aquele produto e com que frequência?

E, pra deixar as coisas mais próximas da sua realidade: como são definidas aquelas palavras-chave que você usa para criar pautas ou textos que se inserem perfeitamente numa estratégia de marketing maior?

A resposta para todas essas perguntas é simples: pesquisa de mercado.

Se os funcionários de marketing de uma empresa séria não se preparassem dessa forma, essa empresa correria um risco muito grande.

Imagine você, como redator, ficar chutando um preço pros seus trabalhos e palavras-chave para as pautas que escreve, experimentando com algo que envolve o dinheiro de investidores e o trabalho duro de outros profissionais? Não dá, não é mesmo?

É por isso que até a linguagem dos seus artigos e os temas que devem ser evitados aparecem nas suas pautas. Eles também foram definidos dessa forma, o que faz com que o seu conteúdo tenha começado numa pesquisa de mercado, muito antes de você escrevê-lo.

2. É fundamental para analisar a concorrência

Tente se lembrar de quando você começou a sua carreira de redator freelancer. Imagine se naquela época você pudesse analisar os melhores redatores do mercado e saber o que eles fazem bem e, mais importante ainda, onde deixam a desejar?

Se tivesse conseguido contar com uma pesquisa desse tipo, provavelmente o seu crescimento profissional teria sido bem mais acelerado, concorda?

Pois é dessa forma que as empresas analisam seus concorrentes desde o início e aprendem com os erros e acertos deles. Elas sabem como oferecer um produto melhor, diferente ou, simplesmente, como posicionarem esse produto de uma forma diferenciada em relação a alguma outra empresa similar.

A ideia, no último caso, é evitar a concorrência direta, quando se sabe que daria muito trabalho vencê-la.

Algo parecido acontece quando você decide investir seu tempo se especializando em temas específicos e de nicho para produzir conteúdo para eles.

3. Ajuda a identificar novas oportunidades

Muitos redatores escreviam para outros veículos antes do marketing. Eles contribuíam para jornais e revistas ou trabalhavam produzindo texto para materiais de divulgação de empresas.

Até que, um belo dia, ficaram sabendo dos números convincentes do marketing de conteúdo!

Se foi esse o seu caso, saiba que, mesmo sem perceber, você fez uma espécie de pesquisa de mercado. Uma pesquisa como essa pode se encaixar em dois tipos:

Pesquisas primárias

Pesquisa primária é aquela encomendada por uma empresa para compreender seu mercado, seus produtos, buyer personas, comportamento dos consumidores e vários outros dados importantes para um planejamento e uma boa campanha de marketing.

Essa pesquisa pode ser quantitativa ou qualitativa. O primeiro tipo é mais comum, pois seus resultados podem ser utilizados de forma mais objetiva na elaboração de uma estratégia. Para chegar a eles, algumas etapas são necessárias:

  • Definir o problema, isto é, qual o motivo da pesquisa;
  • Definir o universo da pesquisa: que tipo de pessoas serão entrevistadas, qual a sua idade, com o que trabalham, etc.;
  • Definir a amostra, que corresponde ao número de entrevistados;
  • Criar um questionário e aplicá-lo nessa amostra;
  • Analisar os dados obtidos.

Pesquisas secundárias

Fazer uma pesquisa de mercado secundária é exatamente o que você fez, se usou os números encontrados no Google para tomar uma decisão importante na sua carreira.

Provavelmente, a sua não foi tão metódica, mas se hoje você tem textos de marketing todos os dias para escrever, significa que ela deu bons resultados, não é mesmo?

4. Ela é imprescindível no marketing digital

Já falamos sobre como fazer uma pesquisa de mercado é importante para definir as palavras-chave e a linguagem mais adequada para um determinado público.

Aliás, elas servem, inclusive, para analisar as palavras-chave, público, campanhas de marketing digital e linguagem dos concorrentes.

A verdade é que pesquisas de mercado podem (e devem) ser usada para quase tudo no ambiente digital. Ter sucesso com publicidade online significa colocar um produto ou serviço à venda num universo com uma quantidade gigantesca de informações.

E, se não houver pesquisa de mercado para compreender melhor esse produto, os consumidores, os melhores mecanismos de venda e o ambiente digital em que ele circula, o mais provável é ficar perdido nesse universo complexo.

5. Ela pode ser usada por redatores

Como redator, o ideal é você tocar o seu trabalho como o de uma empresa, mesmo que individual. Então comece a considerar fazer suas análises de mercado.

Elas não precisam envolver enormes quantidades de números que vão demandar uma equipe inteira para levantar. Você pode se valer de pesquisas secundárias ou criar métodos simples de recolher opiniões que, ao longo do tempo, podem acabar se transformando em dados valiosos para o seu trabalho.

Que tal começar com um formulário pequeno e umas poucas perguntas para os seus clientes responderem?

É uma forma fácil de começar e que pode transformar o seu trabalho, te tornando um profissional que agrada o seu público, conquista a confiança dele, gera indicações e, por consequência, mais dinheiro no fim do mês!

Os seus feedbacks, aliás, não deixam de ser uma espécie de pesquisa de mercado. Você já tem uma planilha ou documento onde eles ficam salvos pra consultar toda vez que for começar um texto novo?

Pronto para aplicar essas dicas sobre como fazer uma pesquisa de mercado no seu dia a dia de redator? Mas antes, curta a página do EPW no Facebook. Lá, vamos te manter por dentro de conteúdos interessantes como este aqui!