sintaxe

Sintaxe: tudo o que você precisa saber!

Você, por curiosidade, já reparou como poemas antigos parecem desconexos? Curiosamente, na verdade eles não são.

Você, por curiosidade, já reparou como poemas antigos parecem desconexos? Curiosamente, na verdade eles não são.

O linguajar literário de décadas e séculos passados, ainda que soe estranhamente em nossos ouvidos, em nada estão transgredindo o Português.

Tomando, por exemplo a letra do hino nacional brasileiro, o que ele tem de tão notável? A resposta é simples: uma construção sintática difícil.

A sintaxe, parte fundamental da gramática, apresenta nesse tipo de literatura uma construção muito distante da que usamos hoje.

“Construção sintática”, “análise sintática”, “sintaxe”… lembrado desses termos? Pois é sobre eles o nosso papo de hoje!

É com esse conhecimento que você produzirá conteúdos mais ricos e corretos gramaticalmente! Curtiu? Relembre agora funções importantes e descubra regras que você não se lembrava!

O que é sintaxe?

É uma parte da gramática que estuda as palavras dentro das frases ou orações e suas relações entre si, no que diz respeito à concordância, subordinação e ordem.

A sintaxe também estuda a relação das orações dentro do período. Podemos dizer que é a sintaxe que torna uma frase compreensível, ao conferir sentido conforme a relação entre as palavras.

Para não cair nas armadilhas do português, precisamos saber os elementos de estudo da sintaxe:

Elementos da sintaxe

São três os elementos da sintaxe, e compreendê-los é o primeiro passo para realizar uma análise sintática:

  • Frase: estrutura que transmite significado por si só e é finalizada com um sinal de pontuação. Podem ser formadas por uma só palavra ou por muitas.
  • Oração: formada por um verbo ou locução verbal, pode ser uma frase ou um fragmento dela.
  • Período: enunciado com uma oração (período simples) ou mais (período composto), finalizado por um sinal de pontuação.

Exemplo:

  • “Socorro!” é uma frase, mas não é uma oração.
  • Eu não quero sair à noite para passar raiva em um bar onde as pessoas não conseguem usar o banheiro!”: período composto por várias orações.

Evidentemente, se formos estudar toda a sintaxe, ficaremos um bom tempo por aqui. Isso porque, a partir dela, devemos conhecer as funções sintáticas de cada termo de uma oração e analisá-la.

Dentro disso, temos os termos da oração (essenciais, integrantes e acessórios), coordenação e subordinação de período composto, concordância, regência, colocação pronominal etc.

Então, vamos começar pela função sintática a qual as palavras podem assumir dentro de um período.

Função sintática e análise sintática

Função sintática é o papel que cada termo desempenha dentro da oração. Essa função é determinada a partir de uma análise sintática, aquela matéria de Português que nós erramos na escola.

Por meio da análise, cada termo é estudado conforme seu sentido e a posição que ocupa na oração. A partir dela, temos:

  • Termos essenciais da oração:
    • Sujeito: simples, composto, oculto, indeterminado, ausente (oração sem sujeito).
    • Predicado: verbal, nominal e verbo-nominal; verbo transitivo direto, indireto, direto-indireto; verbo intransitivo; verbo de ligação.
  • Termos integrantes da oração: complementos verbais (objeto direto, objeto indireto, objeto pleonástico, objeto direto preposicionado), complemento nominal e agente da passiva.
  • Termos acessórios da oração: adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto.

“Não estou entendendo nada!”. Calma, já vai. Vamos pegar um exemplo e analisar:

Amanhã, eu emprestarei o livro à minha mãe.

Na oração acima, temos:

  • Amanhã: adjunto adverbial.
  • Eu: sujeito simples.
  • Emprestarei o livro à minha mãe: predicado.
  • Emprestarei: verbo transitivo direto e indireto.
  • O livro: objeto direto.
  • À minha mãe: objeto indireto.
  • O, minha: Adjunto adnominal.

“Ah, mas achei que ‘livro’ era substantivo”. Ainda é. Tenha cuidado para não confundir função sintática com classe gramatical!

Função sintática x classe gramatical

Como dissemos, a função sintática do termo é definida conforme a relação estabelecida com os outros termos da oração. Mas a classe gramatical é definida independentemente da posição da palavra na oração. É a palavra isolada, definida por análise morfológica.

São classes gramaticais: substantivo, adjetivo, verbo, artigo, pronome, advérbio, preposição, conjunção, numeral e interjeição.

No nosso exemplo, teremos:

  • Amanhã: advérbio de tempo.
  • Eu: pronome pessoal reto.
  • Emprestarei: verbo.
  • O: artigo definido masculino.
  • Livro: substantivo.
  • À: fusão da preposição “a” com o artigo definido feminino “a”.
  • Minha: pronome possessivo
  • Mãe: substantivo.

Quando você passa a compreender a análise sintática, sua redação ganha ares profissionais, digna dos grandes professores de português!

Com ela, passamos a evitar erros bobos, que prejudicam o entendimento do leitor. E a melhor forma de se tornar um expert em sintaxe é praticando!

Dicas de sintaxe

O redator web deve sempre se preocupar com a clareza do texto, com a compreensão quase intuitiva do leitor, que pode desistir do seu artigo diante do menor esforço de leitura necessário.

Por isso, Melhorar a escrita é fundamental! Para te ajudar, separamos algumas dicas imperdíveis de sintaxe para que seu texto seja tão natural quanto respirar!

Sintaxe e semântica andam juntas

As palavras têm significado, e esse significado é interpretado conforme a disposição dos termos na frase.

Construções como “durante ontem” não fazem o menor sentido, uma vez que a preposição indicando duração deve anteceder um substantivo passível de duração (“durante o dia de ontem”).

Tome cuidado com o lugar das palavras na oração

Elas podem assumir funções sintáticas diversas. Existe diferença entre “A menina alegre chegou ao teatro“ (adjunto adnominal) e “A menina chegou alegre ao teatro” (predicativo do sujeito).

Conheça as funções sintáticas das classes morfológicas

Quer facilitar seu estudo de sintaxe? Vai outra dica: as classes morfológicas exercem determinadas funções sintáticas, veja só:

  • Artigo: adjunto adnominal.
  • Substantivo: sujeito, objeto direto ou indireto, aposto ou vocativo.
  • Verbo: Verbo de ligação, transitivo direto ou indireto, intransitivo ou predicado verbal-nominal.
  • Adjetivo: adjunto adnominal, predicativo do sujeito ou do objeto, aposto.
  • Preposição: complemento nominal, adjunto adnominal, objeto indireto ou direto preposicionado, agente da passiva ou predicativo do objeto.
  • Pronome: adjunto adnominal, objeto direto ou indireto, sujeito ou complemento nominal.

Construa orações na ordem direta

O que isso quer dizer? Que ao escrever, procure sempre obedecer à ordem “sujeito-predicado-complemento”. Contribui para o bom entendimento e para a fácil leitura.

Voltando ao hino nacional, veja bem a primeira parte:

“Ouviram do Ipiranga as margens plácidas

De um povo heroico o brado retumbante”

Se o poeta estivesse preocupado com a compreensão fácil do hino, ele teria escrito “As margens plácidas do Ipiranga (sujeito) ouviram o brado retumbante de um povo heroico”.

Mas a liberdade poética falou mais alto! A ordem inversa utilizada é responsável pela incompreensão imediata do hino por parte de 100% dos brasileiros. Dados reais!

Você sabia tudo isso sobre sintaxe? É só o começo! Se formos destrinchar cada tópico sobre ela, ficaríamos aqui um bom tempo! Deixa pra próxima. Existem outras dicas gramaticais que você deve aproveitar!

Quer receber outros conteúdos como esse para se tornar um mestre da gramática para redação web? Assine nossa newsletter!