trabalhar fora do país

Como ser freelancer e trabalhar fora do país

Este artigo foi produzido pelos nossos parceiros do eLondres!

Este artigo foi produzido pelos nossos parceiros do eLondres!

Trabalhar fora do país como freelancer se tornou uma prática muito comum nos dias atuais. Principalmente para as pessoas que não se contentam com a rotina regrada de um escritório e são movidas continuamente pela descoberta de novos horizontes.

A flexibilidade da carreira remota, entretanto, traz uma proporção equilibrada de benefícios e desafios à vida do freelancer, ainda mais quando estamos falando de trabalhar fora do país.

Pensando justamente no choque de culturas, nas barreiras impostas pela diferença de opiniões e até mesmo na sua saúde financeira, fizemos este guia para auxiliar você a ter êxito na sua empreitada internacional!

Do sonho à realidade

Na ponta da caneta, enquanto estamos planejando a mudança da rotina estável pelas incertezas de ser um freelancer fora do país de origem, tudo parece um sonho, não é mesmo?

A verdade é que, para essa mudança ser um verdadeiro sucesso, é preciso colocar no papel, não apenas as vantagens que acompanham a decisão, mas os desafios também.

O profissional freelancer deve se atentar, então, a algumas questões que precedem o carimbo no passaporte, como:

Conhecer o idioma e costumes do país

Esteja você em Londres, no México ou no deserto australiano, é importante conhecer antecipadamente a língua-mãe do local, bem como os costumes daquele lugar.

Assim, você consegue se adaptar mais facilmente à cultura local e encontra menos obstáculos para lidar, negociar e entregar trabalhos de qualidade para os seus clientes.

Criar uma rede de contato com profissionais estrangeiros

Antes de pedir demissão e se jogar mundo afora, é importante já estar em contato com clientes internacionais, já que é preferível para o freelancer que deseja trabalhar fora do país receber pelos seus serviços na moeda local.

Hoje em dia, inclusive, não faltam portais e redes sociais para auxiliar o profissional freelancer nesse sentido, com oportunidades de trabalho em todos os lugares do mundo.

É o caso dos sites Upwork e freelancer.com, entre tantos outros, que podem ajudar você a criar uma importante rede de contatos antes de embarcar na sua jornada.

Saber o trabalho que deseja produzir

Por fim, é importante que você saiba, com antecedência, o tipo de trabalho freelancer que você deseja desenvolver.

Seja produção de conteúdo, traduções, reportagens, revisões, programações, trabalhos como designer; o que importa é saber o seu diferencial e desenvolvê-lo para trabalhar fora do país!

Os desafios de trabalhar fora do país

Com o planejamento debaixo do braço, você pisa do outro lado do mundo com um universo inteiro de expectativas. Por isso, ao conhecer os desafios de trabalhar fora do país, você evita uma série de surpresas e, assim, facilita o período de adaptação.

Conheça o câmbio local e valorize seu trabalho

Trabalhar fora do país costuma implicar em uma sensível mudança na maneira de cobrar pelos seus serviços — seja por hora ou pacote fechado.

No mercado estrangeiro, é comum o contratante negociar o valor (a famosa pechincha), e também dar um feedback sobre seu preço; se está coerente ou não com a média do mercado.

Por isso, não se desvalorize. Peça o que achar adequado pelos seus serviços sem medo, mas lembre-se que a pessoa com o orçamento em mãos conhece melhor os valores praticados do que você. Convém ter uma boa conversa para alinhar valores justos pelo serviço oferecido.

Adapte-se aos fusos horários

Você pode estar em Londres e o seu contratante, no fuso horário de Nova Iorque, por exemplo. Isso implica realizar adequações no seu horário de trabalho, já que as reuniões dificilmente serão realizadas no horário comercial do lugar onde você está.

Ter a flexibilidade como relógio, inclusive, é um ótimo ponto positivo para o profissional freelancer que estiver viajando pelo mundo, pois até facilita combinar reuniões remotas com os clientes.

Derrube as barreiras comunicativas

Esse ponto é um complemento ao tópico anterior, já que a comunicação eficiente entre freelancers e contratantes é fundamental — e isso inclui desde o contato em reuniões aos feedbacks de ambas as partes e o próprio vínculo interpessoal entre vocês.

Construir um elo de confiança é importante para que o trabalho freelancer não seja apenas algo pontual, mas duradouro e muito mais flexível.

Aprenda a lidar com as diferenças de opinião

Se, no nosso país de origem, as opiniões divergentes podem ser barreiras comunicativas, as diferenças culturais entre países podem fazer uma negociação se transformar em verdadeiras missões diplomáticas.

Flexibilidade é tudo, ao lidar com clientes. Mas isso remete, também, à questão de valorizar o seu trabalho. Tente compreender o outro lado da conversa, peça para que o cliente esclareça a sua perspectiva e seja o mediador, buscando chegar a um meio-termo.

Como dissemos, anteriormente: conhecer os costumes e a cultura local é importante para lidar melhor com clientes internacionais.

Fuja das ciladas internacionais

Engana-se quem pensa que apenas no seu país existem profissionais desonestos ou interesseiros: ter jogo de cintura é fundamental para identificar as ciladas e driblá-las antes que tragam dores de cabeça à sua rotina freelancer.

Os benefícios de trabalhar fora do país

“Trabalho novo, vida nova” é uma frase ainda mais verdadeira quando estamos no nosso próprio escritório, em outra parte do mundo. Os benefícios da mudança de hábitos, inclusive, são diferentes daqueles que teríamos trabalhando do próprio lar. Quer ver só?

  • Aumento de renda: é possível se programar para viajar mais e guardar mais dinheiro (para os períodos de pouca demanda) trabalhando com o câmbio local;
  • Autoconhecimento: empreender fora do país é um desafio e tanto, mas isso significa criar conexões com pessoas de todos os lugares do mundo e expandir os próprios horizontes;
  • Novas opções de lazer: com flexibilidade no horário, você explora a cidade em que se encontra (e a região ao redor) e, ainda, encontra tempo para lidar com clientes no fuso horário deles;
  • Liberdade de escolhas: você pratica, diariamente, a sua capacidade de adaptação, mas também a liberdade de escolha. Isso permite que você possa ficar o tempo que quiser em cada lugar, sem prejudicar a produtividade no trabalho.

E então? Você acha que está na hora de ser um freelancer e trabalhar fora do país? Antes de embarcar, não se esqueça de compartilhar este post nas suas redes sociais. Vai que inspira um conhecido a fazer as malas junto com você?